Viagem a Gatlinburg

18/01/14.

Gatlinburg é uma cidade localizada no estado norte-americano de Tennessee, no Condado de Sevier

Levantamos cedo nesse dia, não para arrumar as malas pois elas são fáceis de serem organizada.  A tática é:

DICAS: Levar uma calça preta, que serve para qualquer ocasião; roupas de baixo (térmicas para aquecer); malhas coloridas para variar e os cachecóis (muitos para combinar). Separa-se o que está sujo numa mala e as roupas limpas vão para outra mala. No dia da viagem e só fechar o zíper.

 

Tomamos o café da manhã e saímos com destino a Gatlinburg. Tudo que sabíamos sobre a cidade era que havia um resort com 2.000 apartamentos da Westagate, que está localizado em cima da montanha e, por isso, deveríamos tomar cuidado porque poderia haver neve na estrada. Outras recomendações é que teríamos que nos abastecer com compras antes de subir e levar roupas térmicas para aguentar o frio. Com essas informações, o que esperávamos desse local era nada. Trouxe um livro e nos preparamos para descansar, sabendo que havia um spa para aproveitarmos.

A distância de mais ou menos 300 kms não nos preocupava. Na verdade, fui trabalhando a viagem toda, pois nessa data iria ter uma festa de casamento no hotel e, durante todo o dia, a equipe me mandavam fotos e eu ia dando orientações. Por isso nem percebi a longa viagem.

Chegamos a Gatlinburg. Fizemos conforme a orientação da atendente do Westagate: paramos num mercado, fizemos compras para a semana (tudo orgânico e light, exceto algumas comprinhas do Wilson que fogem a qualquer qualidade alimentar do mundo); paramos para almoçar e seguimos viagem, observando as paisagens e as localidades.

Notamos que era bem diferente do que nos falaram: é um local de férias em família, onde tem um comércio completo, brinquedos e bastante agitado. É uma excelente opção para ir com crianças e família, em qualquer época do ano. Tem diversão como:

  • Hatfield & Mccoy- Dinner Show – jantar com dança e comédia e a cozinha da vovó com frango frito, milho, porco, sopa, a famosa e deliciosa broa de milho, purê e salada de repolho e sobremesas;
  • WonderWorks- casa que ficou de cabeça para baixo, após furacão), uma visita que as crianças amam;
  • Ripleys- Com coisas inacreditáveis num show onde as feições mudam;
  • Magic Wonders- Show de mágicas;
  • Country Tonite- Show de músicas e danças;
  • Dolllywood Splash Country- Parque aquático e de aventuras;
  • Dixie Stampede- Show com cavalos, emas e energia. Jantar incluso;
  • Aquarium- Um gigante aquário com peixes da montanha e dinossauros. Esta é uma das grandes atrações do local;
  • Parrot Mountain and Garden- Show musical de todos os estilos;
  • Hautend Adventure- Teatro de comédia

 

São muitas as atrações que, tenha certeza, terá o que fazer. Deve ser lindo o passeio de helicóptero e tem muitas empresas que fazer este passeio.

Chegamos a Gatlinburg. De um lado, o rio, do outro, uma avenida com tudo que se pode imaginar para compras e diversão, nada mais do que oito quadras. Logo vimos o final da cidade e uma casa de bebidas. Paramos para nos abastecer de vinhos e, como a noite ia chegando, fizemos nossas compras rapidamente, já que a informação que tínhamos era que teríamos que subir a montanha. Mas logo que saímos, à direita estava o nosso resort. Tudo foi muito fácil.

vinho

Pedimos um apartamento no alto da montanha, longe de tudo que pudesse fazer barulho, afinal estávamos preparados para o silêncio, E assim foi. Ficamos no último bloco, no pico da montanha. Uma vista maravilhosa e muita paz.

O apartamento nos surpreendeu com cozinha americana, sala, um enorme quarto com banheira e banheiro separados, um anexo com uma sala, cozinha e banheiro todo equipamento. Nos acomodamos e fomos dormir. Tivemos apenas dificuldades com os chuveiros. Não conseguimos ligá-los. Tomei banho na banheira.

 

Dia 19/01/14.

 

O combinado era passar o domingo sem sair de casa. Levantamos e assumi a casa, aliás, adoro fazer isso, pois me sinto como se estivesse brincando de casinha e fazendo somente o que realmente quero, junto com quem eu realmente quero. Fiz café e ficamos curtindo a vista, lendo, fazendo um aperitivo e curtindo. A vista é muito linda, o apartamento, uma delícia. Precisa mais? Fiz o almoço e fomos dormir.

Estávamos no auge do sono “como há muito tempo não fazia ousar” (Chico Buarque), quando, de repente entram em nosso quarto três homens, numa total eficiência para arrumar os chuveiros. Que susto! Na verdade, a gente que não soube abrir os chuveiros, não tinha nada de errado com eles. Terminamos o dia apreciando a vista, lendo e escrevendo.

 

Dia 20/01/14.

 

Levantamos e, como vimos que em todas as manhãs há aulas de Water Aerobic descemos de maios. Chegamos ao parque aquático e vimos que estávamos atrasados em uma hora. Aqui tem fuso horário.

Dicas:  A questão do fuso Horário já nos fez perder voos etc.. portanto chegando em qualquer local , mesmo estando no mesmo pais verifique o Fuso horário para evitar surpresas.

Foi frustrante, mas me vesti ali mesmo e saímos para os “Montes Apalaches”.

Os “Apalaches” são uma cordilheira da América do Norte estendendo-se da Terra Nova e Labrador, no Canadá, ao estado do Alabama, no sudeste dos Estados Unidos, apesar de a sua parte mais setentrional acabar na península de Gaspé, no Quebec. Com uma extensa área, no sentido norte-sul, os Apalaches apresentam grande variação climática. No Canadá e nas Montanhas Brancas, no estado americano de New Hampshire, prevalecem condições semelhantes às do Ártico. Ao sul, as temperaturas são mais amenas, mas é comum a presença de nuvens pesadas e de nevoeiro, assim como, locais ensolarados e agradáveis.

Adentrando a floresta que hoje está seca pelo frio, vesse-se o riacho com muita pedra que acompanha a estrada. Falcões, perus selvagens e muitos tipos de pássaros vivem nos Apalaches. Ali também se encontram ursos-pretos, cervos-de-cauda-branca, porcos-do-mato, guaxinins e castores. Uma caravana de carros, cheios de crianças, sobe a montanha com paradas bucólicas e fotogênicas para as tradicionais fotos e piqueniques em locais já preparados para isso.

Após 30 milhas, encontramos um local plano com algumas igrejas Batistas, e áreas que, notadamente, eram pequenas fazendas que devem ter sido desapropriadas para uso turístico. No final da trilha, chegamos a cidadezinha de Caves Code, amplo vale verdejante, cercada por montanhas e um dos destinos mais populares.

O local oferece algumas das melhores oportunidades de observação da vida selvagem no parque. Um grande número de veados de cauda branca é visto, frequentemente. Famílias param para observação desses animais e as crianças ficam em êxtase com a paisagem e animais soltos. Placas com dizeres “não perturbem a vida selvagem” são respeitadas pelo comboio de carros que passeia calmamente pela Mountain Smoking. A paisagem é linda, o local está bem cuidado, as estradas são seguras e um tapete, um primor. Foi nesta paz que passamos parte do nosso dia.

Voltamos para Gatlinburg famintos. Fomos a busca de um restaurante, sem se esquecer que nos USA são de rede, sempre bons, mas sem glamour e elegância como os da Europa. Comemos um belo steak. Ao sair, pesquisei na internet sobre uma escola de Yoga, por incrível que pareça, estávamos em frente a ela. Foi só parar tocar a campainha e saber a próxima aula teria início as 17h30 com a professora Kay Morton. Corri para o hotel, tomei banho, deixei o Wilson e fui para aula. O estúdio é sobre o rio iluminado e com cachoeiras. Uma delícia de aula e lugar. Voltei realizada.

Fizemos uma salada e fomos dormir.

salada

 

Dia 21/01/14.

 

Levantei cedo, o Wilson ainda dormia, sai e fui para a aula de Water Aerobic, no Water Park do Westagate. É um enorme parque coberto que abriga várias atrações como toboagua e muitos brinquedos aquáticos. Foi muito bom, pois sinto falta de me exercitar, além de ser positivo o fato de conhecer gente e precisar falar, responder e perguntar. Adorei.

Não vejo a viagem como um tempo onde precisamos parar tudo e relaxar, simplesmente e, e sim uma continuidade de minha vida e meus afazeres, afinal este é um estilo de vida. Após a aula voltei para o apartamento, fiz o café e saímos. O dia estava sem sol.

Nosso destino foi as montanhas dos índios Cherokees, no parque Nacional da Nação Indígena com mais de 9 milhões de visitantes por ano. O local é o mais popular do país e também um dos maiores – mais de 800 quilômetros quadrados de floresta, protegida por Tennessee e Carolina do Norte. A entrada principal na Carolina do Norte para o Parque Nacional está na rodovia EUA 441, ao norte de Cherokee.

Desta vez, subimos o Mountain Smoking pelo outro lado. O dia não era mais tão bonito e, conforme fomos subindo, observamos que havia um pequeno acúmulo de neve na estrada e o riacho que acompanha a estrada já não estava tão solto, havia um pequeno congelamento. Continuamos a subida e o aumento de gelo ao redor da estrada também. As minas já estavam congeladas e a estrada dava sinais de perigo até encontrarmos com uma pequena tempestade de neve com ventos. Mesmo assim, alguns carros ainda subiam. A segurança da estrada é incrível, vários carros para socorro circulam nas estradas com neve.

Cuidadosamente, fomos subindo e após duas horas de viagem chegamos no maravilhoso topo da montanha, onde habitaram os índios Cherokees. Um local plano com condições de cultivo, um volumoso rio que banha toda a planície e uma área enorme para vida e cultivo. Entramos numa loja de artigos indígenas, onde fiquei enlouquecida com tantas diversidades maravilhosas. Mas a tensão estava no ar. A atendente da loja, com pressa, nos aconselhava a voltar imediatamente, pois as tempestades são grandes e as estradas fecham. Fizemos nossa única visita correndo e, para minha tristeza, voltamos, mas não pela montanha e sim um caminho mais seguro, lindo e muito longo. Demoramos três, passamos por fazendas e vicinais. Foi agradável.

O importante é saber apreciar cada local. Aqui a natureza é respeitada, assim como a vida de índios, a qual ouvimos e estudamos e sequer sabíamos onde e como moravam, com um artesanato maravilhoso e de alto luxo. Tudo esta riqueza de informação não tem preço. Um local onde jamais viríamos se não fosse essa oportunidade.

Chegamos a Gatlinburg às 17h. Fomos almoçar e, sob neve e muito frio, a cidade fica totalmente abandonada e o comércio fechado. Nos restou voltar ao apartamento.

Dia 22/01/14.

 

Como todos os dias, levantei às 6h. Fiz reunião diária com a equipe do Hotel Fazenda Foz do Marinheiro. Tomamos café e sai para fazer a Water Aerobic. Parece que hoje acordamos em outro lugar: a paisagem já não é a mesma, com a neve cobrindo tudo e o frio que cortava a pele.

Ás 11h, tínhamos uma visita à sala de vendas do Westagate, como de costume, tentam vender algo a mais para você.

Fiz um delicioso almoço e fomos para a cama. Que delícia dormir à tarde, no clima da montanha. Acordei e fui à aula de Yoga. Já no apartamento ficamos curtindo a montanha e o silencio, que tanto amo.

 

Dia 23/01/14

 

Todas as quintas-feiras tenho uma reunião mais complexa com a equipe do Hotel Fazenda Foz do Marinheiro. Assim foi. cApós a reunião, fomos a busca por artesanatos locais, produtos indígenas, naturais, temperos, pantufas feitas pelos índios e o tradicional patchwork. Num pequeno vilarejo, ao lado da cidade, todos esses produtos estavam reunidos em algumas lojinha e cafés. Pena que nesta época muitos dos estabelecimentos ficam fechados devido à neve e poucos visitantes, mas os que encontramos abertos foi o suficiente para nos fascinar.

patchwork

O famoso patchwork que, para minha surpresa, é desenvolvido aqui por mais de 50 anos, inicia-se em pequenos pedaços de tecidos, que após cortados, são costurados em máquinas comuns. Depois é colocada uma manta de fibra de vidro e um único tecido, todos combinando entre si, são submetidos a uma grande máquina que faz o desenho em círculos. Os donos da loja ficaram tão envaidecidos que tiram fotos e nos abraçaram no final da compra, inesperada por eles.

 

dia10 dia10a

Nessa sociedade tudo é divulgado e orientado. Cada pessoa das lojas ou das fábricas é capacitada para receber os turistas.

 

  • Mountain Stitches by Susan- Trabalhos em patchwork
  • Tahiti Beads- Trabalha com bijuterias em vidros.
  • Smoky Mountain Dulcimers- Incríveis instrumentos.
  • Gatlinburg Arts Grtafts Comuninity- Produtos de tratamento de beleza, totalmente naturais.

A pantufa feita pela índia, que queria foi, para ela, uma honra vendê-la. Não pude fotografar as bijuterias em vidros por ser um produto especial. Os instrumentos musicais que, orgulhosamente, um senhor faz como e com o tempo a ser vivido. Um passeio delicioso, sob o frio de -10º. Voltamos para o apartamento para fazer almoço. É até frustrante, pois agora com toda alimentação já pré-preparada, em 10 minutos consegue-se fazer um belo banquete.

Hoje não pude ir a Water Aeróbic e não terá yoga.  Minha professora fará uma cirurgia de catarata. Ela disse que aqui existem apenas três médicos especializados. É absurdo acreditar, afinal é uma cirurgia simples. Por isso, fui para a esteira. Enfim, tivemos dias incríveis e não imaginávamos que passassem tão rápidos. Amanhã acabo de arrumar as malas e seguiremos viagem para estar próximo ao aeroporto e não precisar viajar de madrugada na neve, apesar que poderíamos ficar mais um dia.

 

Dia 24/01/14.

 

Apesar de não ter nevado, o frio aumentou. Sai cedo para a aula de Water Aerobic e precisei esperar que a neve e a água do carro descongelassem. Que friiiiiiiiiio! Após a aula, fechei a conta do hotel.  Além de não termos nada a pagar, nos devolveram US$ 50,00 que deixamos de garantia. Realmente incrível saber aproveitar esses resorts. Viajamos muito, sempre com conforto em lugares lindos. Agora sem filhos e sem problemas de precisar viajar em períodos de férias escolares, aproveitaremos muito mais, com certeza.

O destino agora é Nashville, de novo, pois nosso voo para Las Vegas é às 10h e existe a possibilidade de cair neve. O melhor é dormir próximo ao aeroporto. Tentamos nos hospedar no Gaylord Opryland Resort, o maior hotel do mundo com 3.827 apartamentos. Todo climatizado, com enormes cúpulas de cristal, que dão a impressão de estarmos numa cidade, com várias lojas, restaurantes e diversão. Porém, não havia um apartamento disponível. Fomos para Marriot, ao lado do aeroporto e jantamos por lá no Steak House. Ficamos espantados com tamanho e investimento do local. É uma Disney para gente grande. Além do hotel existe um centro de convenções gigante, um outlet e  shopping. Inacreditável que algo desse porte possa existir e manter-se. Realmente uma descoberta incrível.

Já no aeroporto, basta aguardar para ver o que Las Vegas nos oferecerá.